The Meaning of Berçário

{ Anna Marsh Diary } Have you ever tried cutting off one of your limbs and waiting for another body to take form? Doubt it. ‘Cause we simple homo sapiens only have the capacity to reproduce in one way. But plants, on other hand, can produce offspring both through the conventional sexual fashion (pollination) and also without a partner. Without…

Lembranças da Praça do Pôr-do-Sol

Hoje o canteirista Kristian Pasini postou no Facebook uma bonita foto de uma de nossas ações na Praça do Pôr-do-Sol, localizada ao lado da Igreja Sant’Anna, no bairro do Rio Vermelho. Há meses que ela passa por transformações no processo de “recuperação” da orla promovido pela Prefeitura de Salvador. Seu nome foi carinhosamente pensado no início das intervenções de jardinagem feitas…

A caixa misteriosa no ônibus lotado

Há cerca de um mês e meio, a norte-americana Anna Marsh iniciou um estágio voluntário no movimento Canteiros Coletivos através do programa Where There Be Dragons, da Universidade de Princeton, ao norte de Nova York, onde inicia a faculdade de engenharia ambiental em 2016. Sua agenda de atividades engloba três dias por semana na manutenção do berçário de mudas, sediado pelo…

Fotógrafo Álvaro Villela produz mini-ensaio de árvores para a Campanha #ÁrvoreéAmor

Neste mês lançamos o primeiro mini-ensaio fotográfico da Campanha ‪#‎ÁrvoreéAmor‬, feita pelo fotógrafo Álvaro Villela, soteropolitano e autor da recente exposição “Faces”, que esteve até o fim de novembro no Museu de Arte da Bahia (MAB). O objetivo é que diversos fotógrafos contribuam com olhares diferenciados para mostrar a poesia de árvores urbanas. Convidado pela galera dos Canteiros e da Bamp…

Ação Sonora no Largo dos Aflitos

No mês de março fizemos a primeira ação conjunta com a galera do Projeto Sonora no Largo dos Aflitos, local de onde pode ser visto um dos mais belos cenários da Baía de Todos os Santos. Desde o ano passado, o grupo de artistas do Sonora realiza intervenções musicais e de plantio neste espaço com o objetivo de levar a…

O enterro da praça no Dois de Fevereiro

Imagine uma praça de frente para o mar da qual, ao fim do dia, se vê um pôr-do-sol de cinema. Uma praça arborizada, com sombra e bancos para que as pessoas possam relaxar, com lixeiras distribuídas pelo espaço, com plantas de todos os tamanhos, frutíferas e floridas, com espaço para estacionar bicicletas e com brinquedos de madeira para as crianças……

Espantando a sujeirada política

Tempos de eleição são tempos difíceis para os espaços públicos. Meses antes do dia do voto, centenas de placas se espalham pelos gramados dos canteiros urbanos tomando a frente de nossas árvores e plantas, às vezes até massacrando mudas que se desenvolveriam fazendo brotar lindas flores para colorir nosso dia-a-dia. No dia do voto então, nem se fala! É o…