Neste sábado tem oficina de cartazes do bloco Pipoca Indignada

Neste sábado (15), às 15h, participantes dos movimentos Canteiros Coletivos, Desocupa e Nosso Bairro é Dois de Julho, além de músicos, designers, artistas plásticos e convidados têm um encontro marcado na Vila Coração de Maria, localizada ao lado do Clube Fantoches, para produzir cartazes e fantasias da terceira edição do bloco carnavalesco Pipoca Indignada.  Criado no início de 2012 pelo Desocupa, o Pipoca surgiu da insatisfação popular com a ocupação de áreas públicas de Salvador para fins privados durante os dias de folia.

A terceira edição do bloco traz também a proposta de retomar a festa de rua feita para todas as pessoas – sem a presença de gigantes trios elétricos agressivos aos ouvidos, nem de cordas que escravizam e excluem classes sociais desfavorecidas. No Pipoca, os foliões se fantasiam e organizam fanfarra para cantar marchinhas e brincar com os passantes. Fazendo jus ao nome, o bloco abre espaço ainda para cartazes de protesto e críticas à gestão pública de Salvador – estilo o Mudança do Garcia -, pontuando desmandos da Prefeitura, principalmente no que diz respeito à invasão imobiliária na cidade.

flyer_cartazes_pipoca

O local da oficina de produção de cartazes e fantasias deste sábado também é simbólico. A Vila Coração de Maria é um local histórico do bairro Dois de Julho que ficou abandonado por muitos anos e hoje está ameaçado de ser derrubado pela indústria imobiliária de Salvador. Há cerca de dois meses, artistas e ativistas sociais ocupam o espaço como forma de protesto e realizam uma série de atividades no espaço, mostrando que ele merece ser recuperado e usado como um importante ponto cultural da capital baiana.

Os Canteiros Coletivos, desde o início, participam do bloco Pipoca Indignada com o intuito de reforçar a valorização dos espaços públicos para uso comum de todas as classes sociais, sem diferenças, e para enfatizar a necessidade de se repensar a gestão de espaços públicos para fins privados, que desconfigura praças criando calçadões áridos, com vegetação quase inexistente, inibe a fruição de áreas públicas e calçadas por moradores da cidade e não gera contrapartida social.

Confira no álbum imagens das edições anteriores do Pipoca Indignada: