Violência toma conta dos espaços públicos de Salvador

Soubemos na manhã deste sábado, 30 de agosto, que ocorreram 5 mortes de jovens em menos de 10 dias no Engenho Velho de Brotas. Três foram baleados no campo de futebol do Parque Solar Boa Vista ontem à noite. Muitos adolescentes e crianças participam de uma escolinha de futebol nesse campo, principalmente nos finais de semana. Um dos mortos era amigo de vários conhecidos do Parque, que parece ser muito querido por todos. Fazemos parte do whatsapp do Engenho Velho de Brotas por causa das ações com os Canteiros no Parque e estamos extremamente chateados com a notícia. Por saber que mais três jovens de Salvador foram executados (com mais de 20 tiros) e por saber que uma área como esse Parque tenha sido cenário dessas tragédias. Os moradores estão muito assustados e comentando o tempo todo sobre os tiros que têm ouvido. Um de seus questionamentos foi: “O que está acontecendo com nosso bairro?”. Este é o depoimento de um dos moradores: “Eu fico muito triste com essa situação. Nós temos que ficar trancados em casa com medo de ir à rua para não virar estatísticas. Enquanto lutamos para tirar uma imagem de marginalidade do bairro, uma luta de anos, em oito dias saímos na mídia com cinco óbitos…”
Sabemos que não é de agora, mas muitas notícias de mortes seguidas de jovens no Subúrbio Ferroviário têm sido divulgadas e comentadas por moradores locais nos últimos dias também. É um problema da nossa cidade, há muitos anos. Os dados só pioram. O que estamos fazendo com nossa cidade? Além de continuar com as ações no Parque e de lutar para mantê-lo movimentado, precisamos divulgar e discutir a situação. Como ocupar dignamente os espaços públicos de Salvador? Devemos permitir que esse tipo de coisa aconteça calados? Será que nossa segurança está em policiais armados à paisana ou está em uma cidade viva, povoada, com parques, praças e ruas nos quais podemos estar livremente? Afinal, qual o nosso papel? Não podemos continuar aceitando que nossos jovens virem estatísticas do Mapa da Violência.